Mercado das eólicas em 2018 com resultados comedidos

Se em 2017 os resultados das concessões e produção de energia e equipamentos para geração de energia eólica foram espetaculares, em 2018 houve um resfriamento desses resultados.

O número de concessões para produção de energia eólica diminuiu dos 47 GW para os 45 GW, uma queda de 3% em relação ao ano anterior. Ninguém conseguiu destronar a Vestas da liderança de produção e instalação de eólicas, aliás esta ainda melhorou os seus resultados passando de 16% para 22% em relação a 2017, um aumento que segundo o seu Vice presidente Senior do marketing global e comunicação:

Together with our 2018 results, it proves that our strategy is working and that we continue to lead the industry on key parameters such as sales, profitability, and technology.”

Interessante verificar que o mercado está dominado por quatro fabricantes, Vestas, Goldwind, GE renewable energy e a Spain Siemens Gamesa. Representam 57% da fatia do mercado e segundo a Bloomberg BNEF irá chegar aos 73% em 2027.

Source: BloombergNEF. Notes: Only includes onshore wind capacity. Total fully commissioned onshore wind capacity in 2018 was 45.4GW. SGRE is Siemens Gamesa Renewable Energy.

Interessante é verificar o mix de mercado que cada fabricante tem apostado. A Vestas já tem mais concessões nas Américas que na Europa, a Goldwind opera quase em exclusivo no mercado chinês, a GE preferencialmente nas Américas e a Siemens Gamesa é a que divide mais equitativamente a sua distribuição pelos continentes.

A contrastar está a produção de energia eólica no mar que tem vindo a aumentar consideravelmente, interessante verificar que quase metade desse investimento ocorreu na China e na Europa esse mercado foi muito disputado entre a Vestas e a Siemens Gamesa.

No que diz respeito à produção de energia eólica por região, a Ásia levou um aumento gigantesco com 24,2 GW contra 11,7 GW nas Américas, os 8,5 GW na Europa e o 1 GW no médio oriente/África que por si só foi um recorde.

Os próximos anos serão de um aumento considerável nas concessões pelo que o maior desafio para os fabricantes é conseguir dar resposta à procura, será de certo bastante interessante observar a evolução neste mercado em expansão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *